Domingo,12 de Julho de 2020 São 07h58

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Pedidos de seguro-desemprego aumentam 50% em MT na primeira quinzena de maio

26/05/2020 - 07:25:50

Os pedidos de seguro-desemprego tiveram forte alta em Mato Grosso na primeira quinzena de maio. Ficaram acima dos registrados em abril, tanto deste ano, quanto do ano passado.

Dados do Ministério do Trabalho apontam crescimento de 49,4% no volume de solicitações no benefício na comparação com o mesmo período de 2019.

Há 12 meses, 5.666 pessoas se viram desempregadas e recorreram à medida. Neste ano, foram 8.492.

“Temos ao menos dois fatores nesse número e que ainda não podemos dizer, com certeza, qual tem maior peso. O primeiro é a demanda reprimida do período em que os postos do Sine (Sistema Nacional de Emprego) estavam fechados e o segundo é a pandemia. Só vamos conseguir medir isso com mais precisão ao final de junho”, diz Roberto Ricardo, responsável pela seção de políticas de emprego do Sine em Mato Grosso.

O volume de maio é bem maior que o registrado na primeira quinzena de qualquer mês em 2020 e o acréscimo mínimo foi de 39%. De 1º a 15 de abril, o Ministério do Trabalho registrou 5.108 pedidos (-39%) de assistência por demissão do trabalho.

Em março, a diferença entre os pedidos foi de 20% na primeira quinzena dos meses.

Maio é o primeiro mês da pandemia de coronavírus em que a diferença está sendo bem expressiva. Abril ainda teve resultado abaixo do registrado no mesmo mês do ano passado.

Na contagem dos 30 dias, o total de abril deste ano ficou em 12.784 pedidos pelo seguro, volume 1,4% menor em relação aos 13.094 pedidos de 2019.

Perfil dos solicitantes

Conforme dados do Ministério do Trabalho, os homens são maioria absoluta entre os pedidos. Eles representam 63,4% do total das solicitações registradas até o momento.

E a maior parcela está na faixa etária principal das pessoas economicamente ativas: dos 30 aos 39 anos de idade. Foram 2.722 solicitações.

O restante está distribuído proporcionalmente entre pessoas em faixas etárias tanto para cima quanto para baixo. Jovens dos 18 aos 24 anos e dos 25 aos 29 tiveram média de 1,6 mil pedidos pelo seguro.

O mesmo vale para as pessoas com idade entre 40 e 49 anos.

No conjunto, são pessoas que ganhavam entre um e quatro salários mínimos, o que dá sinais de que setor elas saíram.

“Esse perfil é das pessoas que estavam empregadas no comércio. O funcionário que tem o salário fixo e recebe comissão de vendas. E quanto mais tempo bares, restaurantes e shopping center ficarem fechados, mais esse número vai crescer”, disse o diretor da Federação do Comércio de Bens e Serviço (Fecomércio) em Cuiabá, Marco Pessoz.

O empresário avalia que esse contingente de pedidos do seguro-desemprego pode conter pessoas que receberam férias no início da pandemia e foram demitidas na volta.

“Os estabelecimentos não tinham como continuar a pagar salários e demitiram. E mesmos os comércios retornando, estão com trabalho de 50%. Nos shoppings, por exemplo, só metade da equipe vai trabalhar quando forem reabertos”, afirmou.

Fonte:Reinaldo Fernandes- O Livre