Domingo,18 de Novembro de 2018 São 08h02

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Após depilação com lâmina, mulher tem perna “comida” por bactéria e quase morre

25/10/2018 - 08:52:57

Dana Sedgewick, 44 anos, de South Yorkshire, Inglaterra, ficou entre a vida e a morte após ter sido infectada por uma bactéria que fez com que a pele de suas pernas apodrecesse. A infecção ocorreu dois dias após o uso de uma lâmina nova para depilar a região púbica, quando acabou cortando um ponto na virilha, segundo informações do Daily Mail.

Dana foi diagnosticada com fasciíte necrosante, uma doença causa por batérias Streptococcusdo grupo A. Após seu corpo entrar em choque, ela foi levada ao hospital, onde os médicos a colocaram em coma e lhe deram 30% de chances de sobrevivência. A britânica passou por 21 operações para reparar o dano causado pela infecção, mas os médicos acreditavam que ela nunca mais andaria. No entanto, com o apoio da família Dana se recuperou e recebeu alta.

Em entrevista ao Daily Mail, Dana revelou que, assim como muitas mulheres, tentou manter a região púbica bem cuidada, de modo que se dispôs a apará-la com a ajuda de um barbeador novo. Posteriormente, sentiu uma pequena espinha na região da virilha, mas, por isso já ter acontecido anteriormente, não se preocupou.

Dois dias após o incidente, ela começou a sentir tonturas e náuseas. Após uma visita rápida ao médico, lhe foi prescrito antibióticos para combater uma suspeita de infecção. Porém, mais tarde no mesmo dia, sua filha a encontrou deitada na cama com as pernas cobertas por uma erupção vermelha e sangrenta. O antibiótico não era adequado e ela foi erroneamente diagnosticada.

Socorrida às pressas, ela foi levada novamente ao hospital para realizar novos exames, de modo que os médicos a diagnosticaram com fasciíte necrosante. Nas dez horas seguintes, ela passou por uma complicada cirurgia para tentar salvar as pernas. Os médicos precisaram cortar cerca de 18 centímetros de carne morta e infectada para enxertar a região com pele nova retirada de suas costas.

Para aumentar suas chances de sobrevivência, os médicos decidiram colocá-la em coma induzido por nove dias. Seis semanas após acordar do coma, ela recebeu alta. Nos quatro anos seguintes, passou por 21 operações para tentar melhor a aparência da pele, que ficou coberta de cicatrizes.

Afirmando ter tido sorte por não ter perdido as pernas ou morrido, ela exaltou o apoio da família durante o processo de recuperação. “É difícil pensar que um pequeno corte poderia ter me matado. Tive sorte de sobreviver”, disse.

Trata-se de uma infecção comumente causada por pela bactéria Streptococcus do grupo A. Embora normalmente dure apenas alguns dias – curando-se sem a necessidade de antibióticos – em alguns casos incomuns, pode evoluir para fasciíte necrosante.

As bactérias infectam camadas planas de uma membrana conhecida como fáscia, que são faixas conectivas de tecido que envolvem músculos, nervos, gordura e vasos sanguíneos. Às vezes, as toxinas produzidas por essas bactérias destroem o tecido que infectam, provocando sua morte. Quando isso acontece, a infecção é classificada como grave, podendo resultar em perda de membros ou morte.

Fonte:Jornal Ciencia