Segunda Feira,21 de Setembro de 2020 São 08h21

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Fala de Bolsonaro não mudará regras de isolamento em MT

25/03/2020 - 21:37:33

Por conta das declarações do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) feito na noite desta terça-feira (24), que pediu a “volta à normalidade” e o “fim do confinamento em massa”, muitas empresas já pensam em retomar as atividades presenciais. Contudo, o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, alertou que enquanto houver lei municipal ou estadual proibindo a abertura dos estabelecimentos, essas regras devem ser cumpridas.

“Aqui tem lei, se estiver vigente no município, se estiver vigente pelo governo do Estado, as empresas estarão obrigadas a cumprir. Não é uma fala, um discurso do presidente que do dia para a noite muda tudo. Nós estamos seguindo as premissas estabelecidas pelo Ministério da Saúde, que tem um ministro que nós acreditamos e confiamos. Enquanto essa determinação continuar, nós continuaremos seguimos as orientações do Ministério da Saúde”, pontuou.

Em coletiva de imprensa virtual realizada na tarde desta quarta-feira (24), Gilberto disse que se Mato Grosso não tivesse adotado o isolamento social como forma de prevenção ao coronavírus o número de casos muito maior. Hoje, Mato Grosso registra 326 casos suspeitos e 9 confirmados. “A receita ainda é a mesma, quanto menos pessoas tiverem circulando, com mais isolamento social, nós vamos ter um menor número de casos confirmados e de casos graves. Portanto, nós não mudamos a nossa recomendação. Aqueles que puderem, fiquem em casa”, disse.

Questionado sobre a possibilidade de flexibilizar as medidas impostas à população, o secretário informou o Estado fez até o momento o que avaliou ser necessário. “Pode ir flexibilizando as medidas de acordo com os eventos conforme forem acontecendo ou pode, inclusive, adotar medidas mais enérgicas se o vírus, se a contaminação começar em alta escala, num ritmo muito mais acentuado daquilo que é previsto”.

Fonte:Eduarda Fernandes- Gazeta Digital