Quarta Feira,08 de Julho de 2020 São 10h54

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Governo propõe protocolo para tratar pacientes em estágio inicial da Covid-19

16/06/2020 - 09:06:39

Secretaria de Estado de Saúde (SES) irá propor um protocolo para tratamento de pacientes no estágio inicial da Covid-19 na baixada cuiabana. O objetivo é tentar tratar a doença no começo para evitar que mais gente chegue às Unidades de Terapia Intensiva (UTI) em razão do agravamento do quadro respiratório. A informação foi divulgada pelo secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, na manhã de hoje (15). O protocolo será discutido no final da tarde com profissionais da saúde e representantes das prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande. Gilberto destacou que “é exclusividade do médico receitar remédio, não é nossa intenção sair fazendo pacotinho de remédio para distribuir pela cidade”.

“Mas isso se for feito será com anuência dos médicos e, por isso, nós propomos ao município de Cuiabá e Várzea Grande que haja essa discussão em face de que os pacientes estão chegando em situação agravada nas unidades de referência. Eles chegam para o Estado em situação grave e praticamente não está dando tempo nem de passar pela enfermaria, está indo direto para a UTI”, disse.

A orientação dada à população desde o começo da pandemia era de evitar a ida a hospitais. A busca pelos serviços de saúde deveria ocorrer somente se o quadro ficasse mais grave, com dificuldade de respirar, por exemplo. Gilberto afirma que o entendimento mudou.

“Essa não foi uma grande opção, pelo menos é o que mostram os estudos até aqui. Agora, se sugere que logo no início tenha um protocolo terapêutico de tratamento, com medicação inclusive, e é nesse aspecto que a gente está propondo. Já desenhamos o protocolo, à tarde essa nossa proposta vai ser debatida com os médicos e adotado nas unidades”, declarou.

O secretário citou que o protocolo da SES se baseia em outro elaborado pelo Ministério da Saúde, que foi “atualizado” pelos técnicos da pasta.

Fonte:Mikhail Favalessa- RD NEWS