Domingo,12 de Julho de 2020 São 08h53

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Pesquisadores da UFMT projetam que Mato Grosso pode ficar sem leitos de UTI antes do final do mês

26/06/2020 - 07:01:44

Projeção de pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) aponta que Mato Grosso não terá mais leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIS), para tratamento da Covid-19 a partir do dia 30 de junho. O estudo elaborado pelo Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), e publicado nesta quarta-feira (24), também aponta que, até o final de julho, o número de casos que irão precisar de UTI será o dobro do número de leitos disponíveis.

A nota técnica, intitulada "Demanda por UTIs em Mato Grosso em decorrência da pandemia da covid-19: situação e projeção para as macrorregiões de saúde" apresenta a oferta e distribuição de leitos clínicos e de UTI para atendimento aos casos de covid-19 em Mato Grosso, além de fazer projeções sobre a evolução da doença e, consequentemente, da demanda por leitos de UTI.

"Pelas estimativas, se a velocidade com que vem surgindo novos casos da doença não sofrer alterações, em poucos dias poderemos enfrentar o colapso do sistema público de saúde, com a impossibilidade de atender adequadamente casos graves da doença", afirmam os pesquisadores.

Na verdade, em cinco das seis macrorregiões de saúde de Mato Grosso o número de leitos de UTI disponíveis já apresentava saturação no dia 21 de junho, sendo a exceção a macrorregião centro-norte, onde fica Cuiabá e Várzea Grande. "Isso implica que a demanda não atendida nos hospitais de referência desses lugares provavelmente tem sido regulada por os hospitais da região de Cuiabá e Várzea Grande", explicam.

A distribuição desigual no número de leitos de UTI também é responsável por essa situação. Embora todas as macrorregiões possuam leitos de UTI exclusivos para casos de covid-19, estes estão distribuídos em apenas nove dos 141 municípios do estado:

Fonte:Fabiana Mendes- Olhar Direto