Terça Feira,20 de Novembro de 2018 São 21h45

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Vazio sanitário do algodão já vigora em todo o Mato Grosso

18/10/2018 - 15:21:58

O vazio sanitário do algodoeiro, que tem como objetivo evitar a proliferação de pragas, começou na segunda-feira (15 de outubro) em mais três núcleos regionais de Mato Grosso: Médio Norte (região de Campo Novo do Parecis), Norte (regiões de Lucas do Rio Verde e Sorriso) e Noroeste (região de sapezal), que compõem a chamada Região II.

Nos demais núcleos regionais – Centro (região de Campo Verde), Centro Leste (região de Primavera do Leste) e Sul (região de Rondonópolis), que compõem a chamada Região I-, o vazio sanitário já vigora desde o dia 1°, de acordo com a Instrução Normativa Conjunta Sedec/Indea-MT nº 001/2016, que fixa um período de 60 dias em que não pode haver restos culturais do algodoeiro (ou seja, de plantas com risco fitossanitário) nas propriedades rurais mato-grossenses.

A IN nº 001/2016 define como plantas de risco fitossanitário “plantas do algodoeiro tigueras (plantas germinadas voluntariamente em qualquer lugar que não tenham sido semeadas), acima do estádio V3, e plantas rebrotadas (soqueiras) com mais de quatro folhas por broto ou estruturas reprodutivas”.

“O principal objetivo do vazio sanitário do algodoeiro é quebrarmos o ciclo das pragas, em especial, o bicudo, considerada a praga-chave da cotonicultura nacional”, explica Alvaro Salles, diretor executivo do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt).

A eliminação da chamada “ponte verde”, no período de entressafra do algodão, tem como finalidade evitar que insetos-praga como o bicudo sobrevivam nos chamados restos culturais do algodoeiro: plantas que sobram da safra recém-encerrada, tigueras ou rebrotadas, por um certo período.

“Outra coisa importante é evitar que patógenos de viroses e outras doenças que sobreviveram em plantas velhas possam ser transmitidas para as plantas do algodoeiro da safra que será semeada após o ciclo da soja”, acrescenta Salles.

Manter “isentas de plantas” essas áreas é medida fundamental para a sustentabilidade da cotonicultura, contribuindo para um menor número de aplicações de defensivos agrícolas e criando melhores condições para a próxima safra de algodão (2018/19), segundo o diretor executivo do IMAmt.

Na Região I – núcleos regionais Centro, Cento Leste e Sul -, o vazio sanitário será encerrado em 30 de novembro e a semeadura da safra 2018/19 estará autorizada a partir de 1º de dezembro. No caso da Região II, o término do vazio acontecerá em 14 de dezembro e o plantio da próxima safra poderá ser iniciado a partir do dia 15. Mais informações sobre o vazio sanitário do algodoeiro e o que determina a IN nº 001/2016 podem ser encontrados na Circular Técnica nº 24/2016, elaborada pelo pesquisador Edson Ricardo de Andrade Junior e pelo coordenador de projetos e difusão de tecnologias Marcio de Souza.

Fonte:OLIVRE