Segunda Feira,16 de Dezembro de 2019 São 01h05

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Projetos de Dilmar Dal Bosco ajustam leis para o setor de base florestal e para o feijão

Matérias foram aprovadas pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso e aguardam sanção do Poder Executivo
29/05/2019 - 15:32:34

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) aprovou nesta quarta-feira (29) um Projeto de Lei Complementar e um Projeto de Lei, ambos de autoria do líder do Governo na Casa, deputado Dilmar Dal Bosco (DEM), para melhorar as condições de produção do setor de base florestal e dos agricultores ligados ao feijão. As matérias foram aprovadas em segunda votação e vão para sanção do governador Mauro Mendes (DEM).

O Projeto de Lei Complementar 08/2019 altera o período de restrição na exploração dos Planos de Manejo Florestais Sustentáveis (PMFS). A redação antiga permitia a exploração por um ano, exceto no período chuvoso quando existe uma proibição semelhante ao defeso da pesca, podendo ter o prazo prorrogado por mais um ano, o que, na prática, permite a colheita efetiva do plano de manejo por pouco mais de um ano.

A nova redação diz que o proprietário do plano de manejo terá “12 meses de efetiva exploração, excetuando o período de restrição”. Desta forma, o empresário não tem o tempo improdutivo contado e, de fato, consegue trabalhar a floresta em 12 meses alternados, podendo aumentar o período produtivo por até três anos.

“O produtor poderá ter três safras. Faz uma safra, vem o período da chuva, vem outra safra, outra chuva e tem outro período de safra. Isso vai dar mais agilidade e dar mais condições ao setor que gera muito emprego no Mato Grosso, principalmente na região Norte do estado”, argumenta Dal Bosco.

Também foi aprovado o Projeto de Lei 451/2019, apresentado para dar segurança jurídica ao setor de base florestal, que com a redação da lei 10.818/2019 ficava na dúvida se a madeira em tora e a madeira serrada deveriam contribuir com o Fundo Estadual do Transporte e Habitação (Fethab). A nova redação inclui as nomenclaturas na lei e também acrescenta o feijão no recolhimento do Fethab.

“Estes foram pedidos dos produtores, que, com a lei que alteramos no começo do ano, não sabiam se a contribuição deveria ser feita ao Fethab ou ao ICMS. Desta forma, deixamos a redação bem clara”, conclui o deputado.

Fonte:Marco Stamm- Assessoria