Quarta Feira,19 de Junho de 2019 São 11h24

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

STJ mandar soltar deputado eleito de MT acusado de esquema

12/11/2018 - 22:38:13

O Superior Tribunal de Justiça determinou a soltura do ex-ministro da Agricultura e deputado federal eleito, Neri Geller (PP), que estava preso desde a sexta-feira (9).

Ele é acusado de participar de um esquema criminoso de proteção aos interesses do grupo JBS, no Governo Federal, em troca de propina.

A decisão, deste domingo (11), é do ministro Nefi Cordeiro, que acatou os argumentos da defesa de Geller e concedeu o habeas corpus.

“Concedida a medida liminar de Neri Geller para a soltura do paciente”, consta no sistema de acompanhamento processual. A íntegra da decisão não foi disponibilizada.

O habeas corpus havia sido impetrado pelo advogado Ricardo Monteiro no sábado (10).

Ele conversou com a reportagem neste domingo. Segundo o advogado,  até o final da tarde ainda não havia a informação sobre quando a liminar será cumprida.

Ricardo Monteiro - Marisol

O advogado Ricardo Monteiro, que entrou com pedido de habeas corpus

Neri Geller é um dos alvos da Operação Capitu, da Polícia Federal.

Além dele, foram presos o advogado cuiabano Rodrigo Figueiredo, ex-secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, além do empresário Joesley Batista, do Grupo JBS.  

Ao todo, a desembargadora Monica Sinfuentes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, decretou a prisão de 19 pessoas.

A Operação Capitu foi desencadeada porque a Polícia Federal detectou omissões e contradições em depoimentos de executivos do Grupo JBS, que firmaram acordo de colaboração premiada.

Geller e Figueiredo foram acusados de receber R$ 450 mil de propina da JBS na época em que estavam no Ministério, em troca de atos de ofício que beneficiassem a JBS.

O dinheiro teria sido dado em troca da elaboração de atos de ofício que proporcionariam ao grupo empresarial a eliminação da concorrência e a formação de monopólio no mercado de proteína animal.

A informação consta no pedido de prisão feito pela Polícia Federal ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Fonte:midia news