Segunda Feira,18 de Novembro de 2019 São 08h04

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Aeronave que caiu e matou empresário e filho supostamente não poderia voar à noite

17/09/2019 - 16:25:43

A informação consta no registro do RV-10, de prefixo PP-ZOJ

A aeronave que caiu na noite de ontem (16), em Guarantã do Norte (709 quilômetros de Cuiabá) e matou o empresário Jair Demski e do seu filho, João Demski, não poderia realizar voos à noite. A informação consta no registro do RV-10, de prefixo PP-ZOJ. Uma equipe do Serviços Regionais de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VI) segue para a cidade, no intuito de entender as causas da tragédia.

Em consulta à situação de aeronavegabilidade na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a reportagem identificou que a aeronave modelo RV-10 não estava homologada para voar à noite, só podendo operar em condições visuais durante o dia.

A situação de aeronavegabilidade estava normal e a aeronave não poderia realizar serviços de taxi aéreo, o que não era o caso, já que o voo era privado. O avião foi fabricado em 2016 e é considerado bastante novo. Ele estava em nome da empresa JADE-ENG. IND. E COM. DE EST. MET. LTDA, que pertencia ao empresário Jair Demski.

O aeroporto de Guarantã do Norte é homologado para pousos e decolagens visuais durante o dia. A superfície da pista é de cascalho. Ao Olhar Direto, o Seripa VI, que é ligado ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), informou que uma equipe segue nesta manhã para Guarantã do Norte, com o objetivo de entender as causas do acidente.

Vale lembrar que estes trabalhos não tem o intuito de fazer responsabilização, mas apenas de evitar que novos casos ocorram na aviação. Conforme as informações iniciais da Polícia Civil do município, o empresário e o filho estavam voltando de Sinop. A viagem foi tranquila até a chegada em Guarantã do Norte, onde o piloto solicitou que o irmão iluminasse a cabeceira da pista para que o pouso fosse realizado.

“Sem motivo aparente eles caíram. Não houve pedido de emergência, reclamação de alguma pane. A queda ocorreu a dois quilômetros da pista, já próximo do pouso. Por enquanto, não há dados que possam esclarecer o que ocorreu. Esta parte ficará sob o comando da aeronáutica”, disse um investigador do município ao Olhar Direto.

Quando o Corpo de Bombeiros chegou ao local, encontrou a aeronave em chamas e os corpos dos empresários do lado de fora. Eles foram lançados a aproximadamente 100 metros. Apesar de ter havido uma explosão, o combate ao fogo foi bastante rápido.

Texto: Wesley Santiago/Olhar Direto

Fonte:olhar direto