Domingo,16 de Dezembro de 2018 São 19h06

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Ex-prefeito é preso por suspeita de ligação com megatraficante

Eudes Tarciso Aguiar (DEM), de Brasnorte, foi alvo de um mandado de prisão preventiva
22/11/2018 - 18:00:43

O ex-prefeito de Brasnorte Eudes Tarciso Aguiar (DEM) é um dos presos na Operação Sem Saída, desencadeada nesta quinta-feira (22) pela Polícia Federal em Mato Grosso e no Paraná.

A operação investiga a quadrilha liderada por Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”, considerado o maior traficante de drogas do Brasil.

Aguiar foi preso preventivamente em Brasnorte. A reportagem apurou que ele está sendo trazido, neste momento, para Cuiabá. Nos próximos dias, deverá ser levado para Curitiba (PR), onde corre o inquérito.

Em buscas e apreensões realizadas pela Polícia Federal em uma das residências do ex-prefeito, em Cuiabá, foi encontrada uma rinha de galo. No local, ainda foram apreendidas armas de fogo. O ex-prefeito, que é dono de uma madeireira, deve responder por organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo os policiais federais, sua madeireira tinha atividade lícita, mas teria sido usada na lavagem de dinheiro de “Cabeça Branca”.

Spectrum

A operação Sem Saída é o nome quarta fase da Operação Spectrum. A ação visa o combate aos crimes contra o sistema financeiro nacional, lavagem de dinheiro, organização criminosa, associação para o tráfico internadional de drogas e outros delitos.

A operação cumpre 18 mandados judiciais - sendo dois de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 14 de busca e apreensão - em Cuiabá e nos municípios de Brasnorte (MT), Tapurah (MT), Juara (MT) e Nova Maringá (MT), além de Curitiba (PR).

Durante a primeira fase da Operação Spectrum, a PF prendeu "Cabeça Branca" em Sorriso (a 415 km de Cuiabá). Na ocasião, no apartamento dele, em São Paulo, a polícia apreendeu mais de US$ 4,54 milhões (R$ 14,8 milhões).

Até o momento, a operação já apreendeu aproximadamente R$ 500 milhões em patrimônio da organização criminosa comandada por Luiz Carlos da Rocha, somente em solo brasileiro. Dentre os bens sequestrados estão 16 fazendas em Mato Grosso que, somadas, representam uma área de aproximadamente 40 mil hectares.

Além disso, foram encerradas 41 empresas, apreendidas 42 mil cabeças de gado e sequestradas 31 fazendas em solo paraguaio.

A nova fase da operação envolve cerca de 100 policiais federais. A expectativa da PF é de que, durante a Operação Sem Saída, sejam arrecadados mais de R$ 100 milhões de reais - sendo que, somente em fazendas, o patrimônio apreendido deve ser de mais de 11 mil hectares.

 

Fonte:Midia News