Quarta Feira,21 de Novembro de 2018 São 18h46

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Madeireira que falsificava créditos para extração em MT é multada em R$ 782 mil pelo Ibama

Empresa foi descoberta no âmbito da operação Estanque, que investigava irregularidades ambientais
24/09/2018 - 15:30:05

Uma madeireira de Sinop (500 km de Cuiabá) foi multada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em R$ 782 mil, acusada de fraudar o sistema de controle do órgão e manter em depósito madeira não declarada. A empresa teria sido flagrada durante uma operação de fiscalização do órgão.

Segundo o Ibama, a madeireira de Sinop emitia créditos falsos para 13 empresas da região. Ela também não declararia o número verdadeiro de madeira que guardava junto ao Sistema de Documento de Origem Florestal (DOF), o que foi comprovado durante a vistoria, de acordo com os fiscais.

Foi na Operação Estanque, realizada na semana passada, que os agentes do Ibama descobriram a suposta fraude. A ação investiga, justamente, irregularidades na movimentação, depósito e exploração de madeira no Estado.

No pátio da empresa, localizado próximo ao município de Porto dos Gaúchos (650 km de Cuiabá), mais de 1,2 mil metros cúbicos de madeira em tora foram encontrados. Os agentes também localizaram outros quase 60 metros cúbicos de madeiras serradas. Segundo o Ibama, a quantidade era muito superior ao número declarado pela empresa no DOF.

Além da madeireira, outras quatro empresas também acabaram autuadas pelo Ibama porirregularidades no estoque das madeiras.

O Ibama também pontuou que os créditos falsos que eram emitidos para as 13 empresas “acobertavam esquema” de retirada ilegal de madeiras de áreas protegidas. A estimativa é de que os produtos tenham saído de áreas dos municípios de Sinop, Cláudia, Brasnorte, Marcelândia e Itaúba.

Conforme o órgão, as informações levantadas no âmbito da operação deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Federal, onde serão apuradas as responsabilidades dos envolvidos em âmbito criminal.

Fonte:O LIVRE -Camilla Zeni