Sexta Feira,18 de Setembro de 2020 São 19h52

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

"Mentiram e estão soltos", desabafa mãe de menor ao cobrar prisões em Cuiabá

13/08/2020 - 05:57:48

No dia em que a morte da garota Isabele Guimarães Ramos completa 30 dias, sua mãe, a empresária Patrícia Hellen Guimarães Ramos, comentou sobre o andamento das investigações e os laudos da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) que descartaram a possibilidade de tiro acidental. Os documentos contrariaram o alegado inicialmente pela adolescente de 14 anos que atirou e matou a amiga da mesma idade dentro de sua casa no dia 12 de julho no condomínio Alphaville, em Cuiabá. 

O laudo de balística enviado nesta terça-feira (11) ao delegado Wagner Bassi Júnior, responsável pelo inquérito na Delegacia Especializada do Adolescente (DEA), afirma que pistola calibre 380 da marca Imbel, da qual saiu o tiro que matou Isabele, não poderia disparar sem o acionamento do gatilho por alguma pessoa. No depoimento já prestado, a suspeita alegou que se assustou após ter abaixado para pegar a arma que havia caído junto com a maleta e não se lembrava se tinha ou não apertado o gatilho sem querer quando recolheu a arma em uma das mãos. 

Patrícia Ramos defendeu a prisão do pai da suposta autora dos disparos, Marcelo Cestari, e internação dos menores envolvidos na situação. "Agora mais do que nunca, a perícia prova que a versão dela é falsa, que o depoimento dela também é falso. A confissão de que a arma pegou a cabeça da minha filha, a posição que provavelmente ela estaria dentro do banheiro e não na porta do banheiro. Isso tudo revela que esse crime hediondo que foi cometido naquela casa naquele dia. Essas pessoas mentiram no depoimento. Elas são mentirosas e estão soltas. Meu clamor hoje é por isso. Onde está a Justiça? Onde está o Ministério Público"? questionou em tom de desabafo durante entrevista à TV Centro América.

"A verdade, ela é libertadora, mas ela não vai me libertar disso tudo. Eu vou viver com esse vazio pra sempre. Eu posso ter outros filhos, mas ninguém vai substituir a minha filha, aceitar a morte como eu disse, é difícil, mas aceitar as circunstâncias em que a minha filha foi morta é mais difícil", disse a empresária que em 23 de julho de 2018 já tinha perdido o marido.

 
 

O médico Jony Soares Ramos morreu num acidente de moto na Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), rodovia estadual que liga Cuiabá ao município de Chapada dos Guimarães. "E saber de tudo, ter conhecimento da perícia, das imagens, o que aconteceu e toda a movimentação naquele dia, pra mim está sendo muito difícil, pro meu filho está sendo muito difícil, não esperávamos passar por isso em tão pouco tempo, meu filho perdeu o pai, eu perdi o esposo e agora a Isabele e isso mudou a minha vida de maneira que não tenho como explicar. Eu não tenho vontade de levantar da cama", desabafou Patrícia Ramos. 

LAUDOS PERICIAIS

Laudo pericial elaborado pela  Diretoria Metropolitana de Criminalística da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) apontou  que o tiro que matou Isabele foi efetuado numa altura de 1,44 metro do chão com alinhamento horizontal e a uma distância de entre 20 e 30 centímetros da face da vítima. 

O laudo desmente a versão inicial prestada em depoimentos pela garota que efetuou o tiro. Ao prestar os primeiros depoimentos, a menor alegou que a maleta com duas armas teria caído no chão e ela teria abaixado para recolher as armas colocando-as na mesma mão, ocasião em que teria sido feito o disparo de forma acidental.

Outro lado, o de balística, assinado pelos peritos Reinaldo Hiroshi dos Santos e Pierre Biancardini Junior, a arma não dispara sozinha como foi cogitado por familiares e pela defesa do empresário Marcelo Martins Cestari, de 46 anos, pai da adolescente que atirou no rosto da vítima. 

"Nas circunstâncias alegadas constantes do Termo de Declarações de (...), a arma de fogo questionada AFQ1, da forma como foi recebida nesta Gerência, somente se mostrou capaz de realizar disparo e produzir tiro estando carregada (cartucho de munição inserido na câmara de carregamento do cano), engatilhada, destravada e mediante o acionamento do gatilho", garantem os peritos no documento.

Fonte:WELINGTON SABINO- FOLHA MAX