Terça Feira,26 de Março de 2019 São 08h31

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

MP pede cassação de mandato de deputado por suposto desvio milionário da Assembleia

13/03/2019 - 06:40:38

O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com uma ação civil pedindo a cassação do mandato do deputado Romoaldo Júnior (MDB), acusado de participar de um esquema que teria desviado R$ 9,4 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa. Os desvios teriam ocorrido em 2012, quando o parlamentar chefiava a Casa de Leis. Liminarmente, a Promotoria pediu que ele seja afastado do atual mandato.

Segundo a petição inicial entregue à Justiça, o esquema ainda teria tido participação dos ex-deputados José Geraldo Riva, Gilmar Fabris e Mauro Savi, além do ex-procurador da Assembleia, Anderson de Godoi, servidores do Poder Legislativo, e empresários.

O MPE relatou que, na década de 90, a Assembleia contratou um seguro junto ao antigo banco Bamerindus, porém, não pagou os valores e a seguradora ingressou com ação de cobrança. A dívida, no entanto, segundo a Promotoria, “justificou a celebração de ‘acordo extrajudicial’, que serviu para perpetrar o milionário desvio de dinheiro público, permitindo o recebimento de vantagem ilícita e enriquecimento ilícito de agentes públicos”.

Segundo o MPE, o acordo resultou no pagamento extraoficial de R$ 9,4 milhões, depositados na conta de um advogado do banco, que assinou acordo de delação premiada posteriormente. Ele confessou que “tinha poderes” para negociar as dívidas da instituição bancária e da própria seguradora. Segundo sua versão, foram feitos os repasses no limite dos percentuais “previamente acordados” para as contas de Riva e de um servidor da AL. O acordo, de acordo com esta versão, era devolver 50% dos valores pagos pela Assembleia para os envolvidos no esquema.

“Repisando, verificou-se, em suma, que a existência de dívida cobrada, por meio de ação judicial proposta em face da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, serviu apenas de motivo para a celebração de acordo extrajudicial ilegal, já que o valor pago foi revertido de forma indireta aos seus integrantes, por meio de vários depósitos bancários efetuados em favor de terceiras pessoas indicadas pelos requeridos. Evidente, assim, o desvio de dinheiro público com enriquecimento de agentes públicos e terceiros”, diz o Ministério Público.

Além do afastamento de Romoaldo, a Promotoria também quer bloqueio de bens dos envolvidos, condenação por atos de improbidade administrativa e reparação de danos materiais e morais.

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: assessoria/arquivo)

Fonte:Só Notícias/Herbert de Souza