Quinta Feira,06 de Agosto de 2020 São 05h40

ECONOMIA CIDADES GERAL POLÍCIA POLÍTICA ESPORTE ENTRETENIMENTO DESTAQUE SOCIAL EDITORIAL PUBLICAÇÕES

PÁGINA INICIAL

FALE CONOSCO

Pastor denuncia hospital por morte de bebê após parto em MT

21/07/2020 - 06:24:56

O pastor evangélico Kennedy Conceição da Costa Evangelista registrou um boletim de ocorrência no domingo (19) contra um Hospital Vale do Guaporé, de Pontes e Lacerda (445 km de Cuiabá). Ele acusa a unidade por negligência, após descobrir um corte do pescoço do filho recém-nascido que, segundo o hospital, já nasceu sem vida.

O pai contesta essa versão. Segundo declaração, o pastor contou que a esposa entrou em trabalho de parto no sábado, por volta das 23h30. Ela foi atendida por três médicos, sendo um obstetra, um pediatra e um anestesista.

Ainda segundo ele, o bebê nasceu com vida, entretanto, poucas horas após o parto, a família foi comunicada sobre a morte do recém-nascido. A criança foi entregue aos pais com um curativo no pescoço. Quando retiraram a bandagem, descobriram um corte extenso e já suturado, fato que não havia sido comunicado pelo hospital até então.

Um vídeo mostra a criança sendo foi entregue para os pais, já vestido com um macacão azul, entretanto, não é possível ver o ferimento. A família abre a roupinha e identifica um curativo no pescoço da criança. Ao remover a gaze, vê o corte já com pontos. 

 
 

O pastor disse que está muito abalado. Ele explicou que o corpo do bebê  foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), em Cáceres, e passará por exames de necropsia. Um laudo da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) apontará a real causa da morte. 

Um inquérito policial foi instaurado na Delegacia de Pontes e Lacerda para apurar o caso. As investigações estão em fase inicial e as testemunhas ainda serão ouvidas no decorrer da semana.

OUTRO LADO

O diretor-presidente do hospital, José Paulo Araujo Adriano, afirmou que não poderia falar pelos médicos, mas disse que entraria em contato com a equipe para saber se haveria um posicionamento.

“A paciente, até o levantamento que fiz, foi assistida por três profissionais médicos, a obstetra, o pediatra e o anestesista quando entrou m trabalho de parto. Eu não posso falar sobre os médicos, então acho que a melhor coisa que tem a fazer neste momento é alinhar com os profissionais e eles falarem o que aconteceu. Uma história sempre tem duas versões, então é legal a gente ouvir e não agir no calor da emoção, agir em cima da razão e dos fatos”, explicou.

Fonte:FOLHA MAX